Oficina de luthier 4 – ferramentas específicas

3 de Fevereiro de 2019 by in category Oficina, Sala Aberta tagged as , , , , , , , with 0 and 0
Home > Oficina de luthier 4 - ferramentas específicas > Oficina > Oficina de luthier 4 – ferramentas específicas

Agora está na hora de organizar o ferramental  específico.

Você precisa  de lixas grãos 50 ou 60, 100, 220, 320, 400, 600, 800, 1000  Vamos indicar a marca Indasa.

Cola para madeira amarela de boa qualidade (250g): aposte na Titebond rótulo vermelho que não irá se arrepender.

Cola instantânea de alta viscosidade (cianoacrilato)  – encontrará no mercado a cascola de 20g por um bom preço

Goma laca indiana (a nacional deixa resíduos)  50g e 1 litro de álcool absoluto (93º no mínimo)

Raspilhos: lâmina de estilete largo, instrumentos de manicure amolados, chapa de metal, são opções

RÉGUA DE LIXA

A base tem que ser sólida e plana, de preferência muito rígida. Pode ser de compensado, MDF, batente de porta sólida……. mas pedra de mármore ou granito (soleira de porta) são excelentes opções.

No mínimo uma peça de 15x70cm com lixa colada (sem bolhas ou calombos) grão 60 e outra com grão 100.

Para facilitar o trabalho será muito útil uma prancha de lixa de 70x70cm. Essa é mais difícil de conseguir no mercado porque tem que ser plana em toda sua dimensão. Vidro blindex descartado é excelente opção. Para essa prancha basta a lixa de grão 60.

Como fazer uma régua de lixa (exemplo)

1. escolha a peça da base de MDF com revestimento e confira a superfície com o esquadro contra a luz (se tiver fresta de luz não está plana)

2. proteja a peça base envernizando  as laterais para evitar umidade e estufamento, além de facilitar na hora da troca de lixa.

3. passe cola de bastão ou cola branca (escolar) em toda a superfície da base e aplique a lixa. No caso da cola branca coloque um peso sobre toda a superfíe até a cura total. Essas colas são recomendadas porque saem com água.

4. se for usar lixa de folha, faça emendas em diagonal.

Uma opção é o uso de fita crepe na base e cola instantânea na lixa. Mas cuidado para a fita cobrir perfeitamente a superfície não deixando frestas, sobreposição ou enrugamentos.

DENTUÇO

Essa ferramenta é controversa, e o nome é de minha autoria porque não sabia como chamar isso.

Tem quem gosta e quem dispensa. Tem vários modelos e formatos.

O objetivo é unir duas peças de madeiras muito finas criando a tensão certa para colagem.

Não existe a venda no mercado. Você pode construir a sua ou usar o método antigo para esse mesmo trabalho desde que disponha de um martelo 8 pregos e uma tábua  plana.

GAIOLA

2 pedaços de madeira (MDF ou compensado) com 60x60x3cm com 4 furos nos cantos, porcas e arruelas e barras de rosca sem fim compõe essa ferramenta.

Sua função é criar planos para exercer pressão para colagens de travessas e outras partes do instrumento.

alternativa:  o espaço entre prateleiras de uma estante também pode atender num primeiro momento.

Será necessário varetas para realizar a pressão para colagem. Palitos de churrasco de bambú encorpados, varetas de fibra para pipas, são boas alternativas.

FORMA

Existem muitos formatos e formas construtivas. Primeiro passo é saber qual instrumento você vai fazer. Recomendamos o violão ou a

viola porque são mais comuns entre os possíveis clientes.

As formas abertas facilitam e é indispensável os apoios internos, maciços ou em pedaços.

SERRA DE SLOTS

Trata-se de um serrote de costas cuja lâmina faz um corte de 6mm. Muito difícil de encontrar em geral só sob encomenda e de alto custo.

Uma alternativa, meio gambiarra é o mini arco de serra. A lâmina em geral ondulada, aquecida e retificada faz um corte com medida aproximada.

GRAMPO DE CAVALETE

São grampos similares ao grampo C mas com medidas específicas para alcançar o cavalete  através da boca do instrumento.

Também difíceis de se encontrar no mercado nacional. Caso encontre confira as medidas de alcance e profundidade, para não investir numa furada.

 

TORNO ELÉTRICO e banheira

A banheira é fácil: jardineira plástica com 1,20m sem furo.

O torno mais simples é um tubo de metal aquecido em 120º. Um profissional com termostato é caro mas vale o investimento. Mas já vimos muitas alternativas que deram certo, exemplo: tubo com resistência de forno, tubo com lâmpada incandecente dentro, tubo aquecido na churrasqueira, tubo aquecido no fogão e…… acreditem, leiteira com vela. O fato é que qualquer tubo com 20cm de altura, 8cm de diâmetro, e 0,3cm de espessura mínima, pode atender sua primeira aventura.

TUPIA – MINI RETÍFICA

É claro que você pode cortar as madeiras com estilete, mas uma tupia ou uma mini retífica são extremamente facilitadoras para os trabalhos de aplicação de filetes, rosetas, e outros cortes curvos. Vale cada centavo do investimento.

precisará de fresas, preferencialmente com 2 lâminas retas paralelas, de: 3mm (com 10mm de altura) e outra com 6mm de espessura de corte e 10mm de altura de corte.

FURADEIRA DE BANCADA

Na hora de furar a pala, mão ou head stock, e o cavalete ou ponte do instrumento precisão é fundamental.

Com muito cuidado poderá usar um suporte para furadeira manual e obter um bom resultado.

Com o triplo do cuidado poderá usar uma furadeira manual fixada na bancada, mas o resultado dependerá totalmente de sua habilidade.

Por que tanta tensão? Porque são furos oblíquos. Todos depende do ângulo certo.

A vantagem da furadeira de bancada é que a mesa pode ser ajustada para o ângulo certo garantindo a precisão para todos os furos.

Mas tem a alternativa do suporte para furadeira.

Precisará de brocas de aço rápido de 2mm (para cordas), 6,5mm pino fino(para viola) ou 10,5mm pino grosso(para violão) e 12mm para a cava da tarraxa.

RESUMINDO

Achou seu espaço, colocou sua bancada, criou seu exército de ferramentas…. agora falta as madeiras.

 

 

Add comment

ASSOCIAÇÃO DE LUTHIERS DO BRASIL 2017 ~ desenvolvido por tr3zetrintaeum